sábado, 24 de outubro de 2015

FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DE MACAPÁ


LATINO AMÉRICA EDUCACIONAL


FORTIFICAÇÕES


LIBERDADE


FORTALEZAS


PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE - FRANÇA - CIDADELA DE CARCASSONNE


PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE - FRANÇA - CIDADELA DE CARCASSONNE


PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE - FRANÇA - CIDADELA DE CARCASSONNE


A MURALHA DA CHINA


sexta-feira, 23 de outubro de 2015

PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE - FRANÇA - CIDADELA DE CARCASSONNE


PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE - FRANÇA - CIDADELA DE CARCASSONNE


PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE - FRANÇA - CIDADELA DE CARCASSONNE


PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE - FRANÇA - CIDADELA DE CARCASSONNE


CASTELOS


CIRCUITO DOS FORTES


CIRCUITO DOS FORTES



CIRCUITO DOS FORTES


CIRCUITO DOS FORTES


CIRCUITO DOS FORTES


2015 ICA CONFERENCE


PRESÍDIO DE SEGURANÇA MÁXIMA


PRISIONAL


quinta-feira, 22 de outubro de 2015

PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE - FRANÇA - CIDADELA DE CARCASSONNE



PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE - FRANÇA - CIDADELA DE CARCASSONNE



PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE - FRANÇA - CIDADELA DE CARCASSONNE




CASTELO


PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE - FRANÇA - CIDADELA DE CARCASSONNE


PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE - FRANÇA - CIDADELA DE CARCASSONE


PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE - FRANÇA - CIDADELA DE CARCASSONE


PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE - FRANÇA - CIDADELA DE CARCASSONE


SISTEMA DEFENSIVO DE SANTA CATARINA


MURALHA DA CHINA


HABITAÇÃO DA IDADE ANTIGA


CASTELO


CIDADES FORTIFICADAS


FORTALEZAS . ORG


TORRE FORTIFICADA


COMO FUNCIONAM OS CASTELOS



A idéia da Idade Média nos remete à cavaleiros, lordes e damas, combates com lanças e cavalos e batalhas sangrentas - tudo isso, provavelmente, acontecendo dentro ou nas cercanias de um castelo. Os castelos foram importantes pontos estratégicos para conquistas e defesas de territórios nos tempos medievais. Os projetos e a construção dessas fortalezas variaram muito, e várias delas sobrevivem atualmente.
O dicionário Merriam-Webster Collegiate define um castelo como um "grupo de edificações fortificadas". Mas uma definição mais prática é a que um castelo era a fortificação da Alta Idade Média (entre os séculos 5 e 15) equipada com paredes altas, torres e um fosso. A palavra castelo vem do latim castellum, que significa lugar fortificado. A língua francesa popularizou o termo castelo na Idade Média.


Castelos & Palácios

Castelos e palácios eram residências majestosas para nobres e reis, mas apenas castelos tinham muros altos, torres e fossos. Embora os palácios fossem grandes residências e pudessem ter muros ao seu redor, não tinham muros altos de proteção e não eram projetados para finalidades militares.
Os castelos serviam para um objetivo militar principal - guardavam exércitos e atuavam como um quartel que controlava um determinado território. Vários castelos eram parte de cidades fortificadas e protegiam os vilarejos ao redor em épocas de guerra e ataques. À medida que o tempo passou, os castelos também se tornaram residências para lordes e reis. Na transição da Idade Média para a Idade Moderna, os castelos perderam suas funções militares e passaram a funcionar como residências para a nobreza ou foram abandonados.


História dos castelos

Os castelos tiveram origem em cidades cercadas por muros como Tróia, Babilônia, Jericó e Micenas. Essas cidades tinham muros de pedras densos e altos com portões que limitavam o tráfego de pessoas. Os soldados ficavam em guarda nos portões e sobre os muros para defender o castelo dos ataques.
O primeiro tipo de castelo era um forte cercado chamado grod. Um "grod" era formado por paredes de madeira e argila (plataformas), uma ou mais pontes fortificadas e um fosso ao redor de toda a construção. Um segundo tipo de castelo antigo foi construído a partir de torres altas e arrendondadas que o romanos construíram por todas as suas fronteiras. A torre, chamada bergfried (a parte mais forte) era feita de madeira (e pedra, a partir do século 13). As "bergfrieds", encontradas em toda a Alemanha, foram as anteces- soras das altas torres dos castelos da Baixa Idade Média. O terceiro tipo de castelo foi o do motte e bailey. Eles eram formados por uma colina de terra (motte) e tinham na parte central um amplo pátio (bailey) cercados por um muro de madeira e por um portão. Na parte superior do motte havia uma torre de madeira chamada torre de menagem. Um castelo "motte e bailey" tinha as caracterísitcas do "grod" e do "berfried". Tornou-se popular durante o reinado de Carlos Magno na França (800 d.C.) e foi muito utilizado por William, o Conquistador, depois da tomada da Inglaterra pelos normandos em 1066. Um castelo "motte e bailey" poderia ser construído em poucas semanas ou meses.
Essas primeiras fortificações foram a base para o desenvolvimento dos castelos medievais. As paredes de madeira foram substituídas pelas de pedra e de tijolos. Os muros de pedra eram mais fortes e poderiam ser muito mais altos.
Em alguns castelos, eram colocadas paredes internas, formando um anel concêntrico e protegendo ainda mais a construção. O pátio interno ficou maior e foi dividido em pátios separados. A torre de menagem (donjon) ficou maior e passou a ser feita de pedra - e seu nome mudou para fortaleza. Outras construções foram acrescentadas aos pátios - como grandes salões, palácios, capelas, residência para os cavaleiros e locais de trabalho para os artesões. Várias torres amplas e altas foram construídas dentro do castelo. Algumas foram incorporadas aos muros externos, enquanto outras tornaram-se estruturas separadas dentro dos pátios.


Características do castelo

Os castelos serviram principalmente como acomodação para as milícias da época, tornando-se depois residência para os nobres, em suma, projetados para defesa. As construções dos castelos medievais incorporaram projetos das primeiras fortificações e melhoraram com o passar do tempo. Os projetos foram também modificados para acompanhar as melhorias da tecnologia local. Os castelos deveriam suprir as necessidades de moradia (como higiene, saneamento, água limpa e cozinhas), fundamentais para quando o castelo estivesse sob ataque. Acompanhe os principais elementos de composição de um castelo:
  • Defesas externas
  • Fosso
  • Muros (internos e externos)
  • Torres (internas e externas)
  • Cabine do portão, ponte elevadiça e barbacãs
  • Defesas externas
  • Baileys ou pátios
  • Espaços habitacionais e construções de apoio
  • Fortalezas ou torres de menagem (donjons)
  • Grandes salões
  • Capelas
  • Estábulos
  • Poços
  • Oficinas de trabalho

Defesas externas
O fosso - um grande dique ou trincheira ao redor do muro externo do castelo - era a primeira linha de defesa. Ele poderia ser cheio de água ou seco (um fosso seco poderia ser forrado com estacas pontiagudas de madeira). Normalmente, havia uma ponte elevadiça que permanecia erguida quando o castelo estivesse sendo atacado. Vários fossos eram também locais para depósito de lixo e detritos. A existência de um fosso dependia do terreno - nem todos os castelos tinham fossos. Alguns eram construídos no alto de uma rocha e não precisavam deles. Os castelos de Edinburgo e de Stirling na Escócia, por exemplo, estão no alto de uma encosta rochosa. Vários castelos alemães ao longo do Rio Reno foram construídos nas áreas montanhosas do vale.
O muro de proteção externo era alto, largo e feito de pedra ou tijolos. Os muros poderiam medir entre seis e dez metros de altura e de 1,5 a 8 metros de espessura. Em vários castelos, a espessura do muro variava de acordo com a região mais vulnerável.Os muros de proteção eram formados por dois muros.  
Os construtores quebravam e encaixavam as pedras ou tijolos em cada muro e cimentavam tudo com argamassa de calcário. Os espaços entre os muros eram preenchidos com fragmentos de pedra, pequenos pedregulhos e porções de argamassa.
À medida que a parede ficava mais alta, eram colocados cadafalsos de madeira ou plataformas de trabalho sendo possível finalizar a construção trazendo materiais por rampas ou utilizando "guindastes" movidos por homens ou animais. Quando essa parte do muro era finalizada, a plataforma era destruída, entretanto o vão onde estavam os apoios dela permanecia.
Alguns castelos tinham um muro externo muito mais alto chamado parede-escudo. Essa parede era normalmente colocada na parte do castelo que poderia ser especialmente vulnerável às armas de ataque como catapultas, trabucos e torres de cerco. Ela também servia de proteção contra ataques de objetos que eram lançados sobre os muros e atravessavam a defesa. A maioria dos muros externos tinham muralhas na parte superior do castelo como: blocos retangulares alternados com aberturas na parte superior do muro ou da torre.
Os soldados ficavam atrás dos blocos e atiravam através das aberturas. Alguns muros tinham passarelas construídas na pedra, enquanto existiam também passarelas de madeira dentro do muro, onde os soldados podiam ficar em guarda e fazer defesa durante a batalha.
As matacões eram um beiral suspenso em madeira localizado na parte superior do muro. Os franceses mais tarde usaram matacões de pedra chamados machicoulis. Eles tinham buracos no assoalho através dos quais atiravam-se flechas ou se derramavam vários objetos (pedras, alcatrão quente, água fervendo, óleo quente) sobre os inimigos. Os breteches eram pequenas salas suspensas dos castelos franceses, semelhantes às matacões, que sobressaiam dos muros. Feitos de pedras, os brèteches tinham janelas ou aberturas para lançar flechas, além de uma abertura no chão. Quando sua formação ascendia à parte superior do muro, era chamado de guarita. Ainda, havia uma abertura para flechas, como uma fenda ou orifício estreito nos muros e matacões através da qual os arqueiros e besteiros lançam flechas. Várias aberturas são largas numa extremidade e vão afunilando à medida que se segue para a parte externa do muro, sendo que este desenho proporciona uma perspectiva mais ampla de visão. Os embrasures eram uma abertura no formato redondo anexada à abetura para flexas construída no próprio muro ou na parede da torre e proporciona ao arqueiro um campo maior de visão.
 
Defesas do castelo
As torres, essas estruturas altas, no formato redondo ou quadrado foram construídas seguindo a altura do muros ou nas suas extremidades. Normalmente, são mais altas do que os muros e são construídas da mesma forma. Torres arredondadas em sobressalentes ao muro ou nas extremidades dão uma visão melhor para defesa. Os muros têm fendas para as flechas, e a parte superior pode ter matacões, ou ser aberta como ameia ou ainda possuir uma cobertura.
Dentro das torres, as escadas eram geralmente circulares (no sentido horário ao subir), estreitas e feitas de madeira ou pedra. O sentido horário era uma forma de defesa, pois os soldados eram destros (pessoas canhotas eram consideradas do mal, portanto elas aprendiam a lutar com a mão direita). Subindo as escadas, os defensores tinham como manejar a espada, entretanto quem atacava ao descer não poderia fazer isso facilmente.
As cabines da ponte ficavam dentro do muro e estavam ligadas à ponte sobre o fosso, mas eram mais que apenas portas de entradas. As pontes eram normalmente longos túneis com torres com abertura para flechas em cada lado da entrada.
A abertura externa do túnel da cabine era fechado por um portão de madeira ou ferro raspado chamado portcullis. Os soldados podiam levantar o portcullis com um guincho e baixá-lo enquanto estivessem sendo atacados, dessa forma podiam lançar flechas através das aberturas.
Na parte superior do túnel da cabine do portão havia aberturas chamadas matacões através das quais a defesa podia lançar objetos e derramar líquido quente. Nas laterais do túnel havia também aberturas para flechas. Finalmente, as cabines do portão tinham uma porta pesada de madeira na abertura interna, através da qual os soldados podiam fechá-la e trancá-la com braçadeiras.
Esse mecanismo retrátil da ponte ficava normalmente dentro da cabine. Algumas pontes elevadiças subiam e desciam com um guincho, e algumas tinham um fulcro central que fazia com que ficassem na perpendicular a ponto de formar uma parede. Outras pontes elevadiças podem se estender de modo que ficam paralelas ao fosso e não se conectam com o outro lado. Algumas pontes têm uma estrutura fortificada adicional na parte da frente ou em suas laterais chamadas barbacãs. A barbacã era feita de pedra e tinha torres com abertura para flechas e ameias.
Os muros internos e as torres eram construídos como a parte externa. Tinham várias das mesmas características (abertura para flechas, matacões, ameias) e os mesmos propósitos. Os muros internos também dividiam os baileys ou pátios em diferentes partes. Em alguns castelos, as torres internas eram estruturas separadas.
Do ponto de vista militar, o "bailey" ou pátio era um espaço aberto. Qualquer soldado invasor que atravessasse o portão e entrasse no pátio poderia ser exposto ao ataque de flechas vindas das torres e dos muros externos e internos. O pátio também servia como um mercado para festivais e feiras, um local para treinar soldados e domar cavalos, bem como uma área para torneios. Nos torneios, os cavaleiros combatiam com espadas e escudos e lutavam em arenas chamadas justas (os combates são chamados também de justa medieval). Na Baixa idade Média, os pátios tinham jardins e fontes. Alguns castelos não tinhas muros internos, e com isso os pátios também continham as torres, a torre de menagem ou fortaleza (residência principal) e construções auxiliares (grande salão, capela, quartos para os cavaleiros e servos, cozinhas e oficinas de trabalho).


Dentro de um castelo

A fortaleza e as construções auxiliares que formam o castelo variam de uma fortificação para outra. Às vezes, as construções (como a capela, o grande salão e as cozinhas) eram encontradas dentro da torre principal, outras vezes não.
A torre principal era a residência principal do governante. Era feita de pedra e poderia ter o formato quadrado ou redondo. As torres principais poderiam estar integradas ao muro ou à parte e tinham várias funções. Os apartamentos residenciais continham camas e mobília. Eram normalmente aquecidos por lareiras e a luz vinha através das janelas.
O grande salão podia estar na torre principal ou em uma construção separada. Nos primeiros castelos, como o descrito no poema épico "Beowulf", os grandes salões eram usados para refeições e para dormir. Mais tarde, foram usados para divertir e reunir a corte. Normalmente tinham o pé direito alto e grande lareiras. O chão era geralmente de pedra ou de terra batida. A despensa de comida, bebidas e ouro era localizada nos andares inferiores da torre de menagem. A parte relacionada à defesa do castelo (abertura para flechas, depósito de armas, ameias) ficava nos andares superiores.
Os prisioneiros eram mantidos na masmorra. As masmorras ficavam nas partes superiores da torre de menagem, porque era mais difícil escapar, porém depois foram transferidas para os andares inferiores.
A religião era importante na vida cotidiana da Idade Média. As pessoas iam à igreja todos os dias, normalmente na missa matinal. A maioria dos castelos tinha suas próprias capelas e padres, fossem do próprio castelo ou visitantes. As capelas poderiam ser salas simples da torre principal ou requintadas construções à parte. Os cavalos eram essenciais na vida medieval. Os cavaleiros montavam neles durante a batalha. Os animais empurravam carroças. Eles eram o meio de transporte da época. Logo, eles precisavam de uma garagem - ou estábulos, que ficavam no pátio.
Por causa da ameaça do fogo, as cozinhas nos primeiros castelos ficavam separadas da torre de menagem em locais preparados para elas. Como as construções em tijolo tornaram-se mais comuns, os projetistas mudaram as cozinhas para dentro da torre.
Os poços e cisternas armazenavam água para o castelo. Normalmente, a facilidade de ter água era um fator primordial para o castelo resistir ou não a um ataque. Os poços ficavam dentro da torre principal ou no pátio. As cisternas eram reservatórios de água da chuva que escorria do telhado. Alguns castelos tinham um encanamento rudimentar que canalizavam a água das cisternas para as pias.
Os castelos precisavam de vários artesões, incluindo carpinteiros, ferradores e serralheiros para a manutenção das construções e dos pátios. As oficinas de trabalho deles eram locais separados dentro do pátio.
Mas, oque acontecia quando as necessidades fisiológicas decidiam se manifestar enquanto os soldados estavam defendendo o castelo durante um ataque? Havia várias opções: os toaletes eram apenas buracos nas torres. As fezes caíam - no pátio, do lado de fora do muro externo, no fosso ou nas latrinas dentro da torre; o "garderobe" (ou "gardrobe") era um quarto que era projetado externamente sobre o muro. Um buraco no chão permitia que os dejetos caíssem; alguns castelos tinham torres sanitárias dentro ou fora dos muros. As fezes caíam numa latrina.


A construção do castelo

A construção de um castelo era um empreendimento caro: o rei Eduardo I quase quebrou as finanças reais gastando cerca de 100 mil libras em seu castelo no País de Gales. Três mil trabalhadores foram contratados (carpinteiros, artífices, escavadores, mineradores e serralheiros) sob a orientação de um mestre de obras (o mestre James of St. George construiu os castelos do País de Gales, do Rei Eduardo I). Os castelos normalmente levavam 10 anos para serem concluídos.
Como experiência para o estudo de arqueologia, Michel Guyot e Maryline Martin reuniram um grupo de 50 trabalhadores (arquitetos, arqueólogos e especialistas) para construir uma réplica de castelo medieval utilizando técnicas e materiais utilizados na idade Média. O projeto, desenvolvido na cidade de Treigny, na Borgonha, região da França chama-se Projeto Gueledon. O projeto é baseado na arquitetura de um castelo do século 12 - tem fosso, muros de proteção, torres em cada canto do castelo e uma grande torre principal. A construção começou em 1997, e a expectativa é de durar uns 25 anos. Após o investimento inicial, o custo do projeto vai ser pago com dinheiro do turismo. Em 2006, o local recebeu mais de 245 mil visitantes, e o projeto arrecadou cerca de US$ 2,6 milhões.
O material da construção é de pedra, argila e madeira de carvalho, encontrada nas redondezas. Os trabalhadores usam técnicas tradicionais que remontam o século 13. Para separar as pedras para os muros, os mineradores "lêem" os traços das pedras a fim de enxergar as linhas aonde elas quebram. Eles fazem buracos na pedra e inserem quinas nesses mesmos buracos, o que faz com que as ondas sejam quebradas nas pedras.
Os trabalhadores utilizam vagões puxados a cavalo para trazerem as pedras das minas para o local da construção. Os artífices esculpem a pedra bruta em blocos. Os trabalhadores usam guindastes movidos pela força humana para elevar as pedras lapidadas para o cadafalso dos muros.
Outros trabalhadores fazem argamassa misturada ao cal, argila e água. Os artífices encaixam as pedras e usam a argamassa para unir os blocos. Os trabalhadores também utilizam ferramentas tradicionais para medir e encaixar as peças do castelo.
Por exemplo, os artesãos usam uma corda comprida com nós a cada metro para medir as vigas de madeira e encaixar as peças. Eles também utilizam esquadros de madeira e compasso para medir. Utilizam um triângulo de madeira com linha e prumo para medir quando estão colocando as pedras.
À medida que aumenta a altura do castelo, novos cadafalsos devem ser colocados e os antigos removidos, deixando assim buracos nos muros. Em 2007, um terço do Castelo Guedelon estava pronto. Uma vez terminado, está pronto para defesa.


Cercos medievais

O exército invasor cercava o castelo e cortava o abastecimento de comida e água na esperança de matar de fome o inimigo. Na tentativa de disseminar doenças, os invasores poderiam usar suas catapultas para lançar sobre os muros dos castelos corpos humanos ou animais mortos ou doentes. Lançavam também projéteis incandescentes para causar prejuízos dentro do castelo. Esse método para cercar era o mais utilizado porque o exército invasor poderia negociar a rendição do castelo por muito pouco. Mas isso levava meses de trabalho, e o exército invasor deveria estar muito bem suprido com alimento e água para agüentar a duração do ataque.
Se tinham tempo de preparo, a defesa poderia extender a duração do cerco. Normalmente, traziam suprimentos e pessoas das redondezas para dentro do castelo. A maioria dos castelos tinha os próprios suprimentos de água para essa situação. Além disso, a defesa poderia queimar os arredores do castelo, dessa forma o exército invasor não teria onde guardar seus suprimentos. Normalmente, o resultado do ataque dependia se exército invasor ou a defesa recebiam reforços antes.
Os invasores poderiam preparar enormes escadas apoiadas sobre o muro de proteção externo. Os soldados invasores poderiam subir as escadas para conseguir acesso ao castelo. Entretanto, ficavam vulneráveis às flechas de fogo e objetos jogados das ameias. A defesa poderia também empurrar as escadas para trás.
Como alternativa, os invasores construíam torres de madeira para o ataque e as enchiam de soldados. Outros empurravam as torres para a base do muro de proteção. Os soldados no alto da torre baixavam uma rampa, atravessavam as améias e esperavam acabar com a defesa. As torres de ataque davam cobertura para os soldados invasores, contudo eram grandes e pesadas. Os invasores estavam vulneráveis ao atravessar a rampa. Além do mais, a defesa poderia tocar fogo nas torres com flechas incandescentes.
Se um exército invasor derrubava os portões, poderia entrar no castelo muito facilmente. Usavam aríete (toras de madeira) para bater no portão (ou às vezes nos muros) e derrubá-lo. Alguns aríetes eram cobertos para proteger os soldados invasores das flechas incandescentes e dos objetos que eram jogados. Às vezes, os portões de madeira de castelo eram incendiados para fragilizá-los.
Para se defender contra os aríetes, flechas incandescentes eram lançadas (às vezes com fogo nas pontas). Normalmente, muros de madeira ou até mesmo "revestidos" por material almofadado poderiam ser baixados para atenuar o impacto dos aríetes. Finalmente, poderiam trancar as entradas ou pontes do castelo para resistir à força dos choques. E, como foi mencionado, os portões do castelo tinham matacões e abertura para flechas para afastar os invasores que atravessassem as entradas.
Se um exército invasor podia criar uma fenda num muro, também podia adentrar o castelo por intermédio de um local sem defesas. Os invasores derrubavam os muros com aríetes e lançavam pesados e incandescentes projéteis de pedra contra e sobre os muros. Usavam catapultas, trabucos (armas pontiagudas pesadas), e balistas (grandes bestas).
Uma outra maneira de derrubar os muros dos castelos era miná-los. O exército invasor cavava túneis sob os muros e inseria suportes de madeira. Uma vez que cavavam o túnel profundo o bastante até chegar no outro lado, incendiavam-no. Os suportes de madeira seriam destruídos, e o muro sobre o túnel desabaria. Mas a defesa poderia cavar sob os túneis do exército invasor antes que chegassem ao muro. O cerco ao castelo poderia ser dessas três maneiras. O processo era caro, cansativo e longo, mas necessário para controlar o castelo e seu território.


O declínio dos castelos

Após o século 16, os castelos entraram em decadência como forma de defesa, principalmente devido à invenção e ao desenvolvimento de pesados canhões e morteiros. A artilharia poderia lançar pesadas bolas de canhões com tanta força que nem muros muito fortes agüentavam.
Geralmente, o castelo medieval abria caminho para cidades fortificadas (quase como um reverso da história) e fortes (como os da época colonial na América do Norte). Ao invés de grandes muros de tijolos ou de pedra, esses fortes tinham amplas plataformas argilosas com estacas de madeira ou pedra no alto. A idéia era que camadas grossas de pó absorveriam o impacto do canhão de fogo. Também essas fortificações eram mais fáceis e mais rápidas de construir do que os castelos. Durante a Revolução Americana nas Batalhas de Bunker Hill e Dorchester em Boston, o exército norte-americano organizaram suas posições na véspera.


Os castelos hoje

Em seus dias de glória, os castelos eram encontrados em toda a Europa e Oriente Médio. A maioria estava na Europa - cerca de 10 mil só na Alemanha. Embora as inovações da tecnologia militar e o custo alto da construção tenham levado a era dos castelos ao seu fim, alguns foram tão bem construídos que sobrevivem até hoje. Outros são apenas ruínas, enquanto vários foram restaurados. Os castelos "sobreviventes" são utilizados para vários objetivos.
Alguns como o Castelo de Windsor, foram restaurados durante os séculos 18 e 19 e servem de residências para famílias ricas ou nobres. Locais históricos e museus, como a Torre de Londres, o castelo de Warwich e Bodiam na Inglaterra, servem como locais para informar e entreter o público sobre a Idade Média. Alguns castelos foram convertidos em hotéis, como o castelo Thornbury na Inglaterra e o La Rocca di Monteggiori na Itália.
Vários magnatas da indústria no século 20 construíram casas que foram projetadas como castelos. Embora essas casas sejam mais parecidas com palácios do que com castelos de fato, elas são magníficas em termos de arquitetura e são visitadas por vários turistas todos os anos. O editor William Randolph Hearst construiu o Hearst Castle na Califórnia. O magnata do setor hoteleiro George Boldt construiu o Boldt Castle sobre o Rio São Lourenço, no Estado de Nova York.
O industrial de Toronto Sir Henry Mill Pallatt construiu a Casa Loma, em Ontário.


Castelo de Himeji

Embora a maioria dos castelos tenha sido contruída na Europa, existiram vários castelos japoneses. Um exemplo é o Castelo de Himeji, próximo a Kobe, Japão. Sua construção começou por volta de 1300 e continuou sob o governo de outros imperadores. O castelo era de madeira, diferente da maioria dos castelos europeus, mas havia uma torre central, muros e pátios. A entrada para o pátio tinha matacões e aberturas para flechas. A entrada do castelo é um labirinto que segue trilhas circulares com becos sem saída que foram planejados para confundir o exército invasor.


Extraído e adaptado de hsw.uol.com.br